17 setembro, 2006

Robert E. Howard

Para quem conhece quadrinhos nem é necessário falar quem ele é. Para quem não conhece, nem é preciso mencionar sua maior criação: Conan, o Bárbaro!

Neste ano se comemora o 100º aniversário de seu nascimento.

Robert Ervin Howard (22 de janeiro de 1906 a 11 de junho de 1936) foi um escritor dos gêneros fantasia e aventura histórica. Seus contos eram publicados em revistas pulp.
Nasceu em Peaster, Texas, filho do Dr. Isaac Mordecai Howard e Hester Jane Ervin Howard. Sua família morou em várias cidades o Texas sul, leste e oeste, e também no oeste de Oklahoma, antes de estabelecer-se em Cross Plains, Texas, em 1919.

Sua inspiração se deve aos contos de horror que ouvia da sua avó e da sua velha tia Mary Bohanoon, e quando criança sempre sonhava ser um bárbaro combatendo Roma, tornando-se assim um rebelde contra o mundo civilizado.


Kull, the King

Escreveu histórias de muitos estilos, mas suas criações mais famosas são as do gênero sword and sorcery (espada e feitiçaria) - um gênero de fantasia caracterizado por sua ênfase em combates violentos e intervenções sobrenaturais (deuses, monstros, magos, etc.). Howard criou um dos personagens fantásticos mais populares de todos os tempos; o bárbaro Conan, que fez sua estréia no conto The Phoenix on the Sword, em dezembro de 1932. Para hospedar sua criação Howard inventou a Era Hiboriana, que se trata da própria Terra, mas num passado pré-cataclísmico do qual a história atual não guarda lembranças. Outros personagens célebres incluem o rei Kull, o aventureiro puritano Salomão Kane, e o picto Bran Mak Morn. Criou também as guerreiras Dark Agnes de la Fere e Red Sonya de Rogatino, esta última a base para a criação da personagem Red Sonja, da editora Marvel Comics.


Conan, o Bárbaro (clique para ampliar)

Um outro campo em que Howard foi bem sucedido foi o do horror sobrenatural, no qual emprestou muitas idéias de seu correspondente e amigo H. P. Lovecraft, e sempre adicionando suas próprias marcas registradas de ação rápida e personagens chamativos.

Suas criações orginais como o Culto sem Nome, por Von Juntz, são consideradas agora parte dos Cthulhu Mythos (a cronologia formada pelas histórias de Lovecraft) como "cânones".


Sonja (Red Sonja)

Howard escreveu também em outros gêneros:
  • Fantasia/Terror, passando-se no sul e no sudoeste dos Estados Unidos. Por exemplo, o conto Pidgeons from Hell e outras histórias protagonizadas pelo xerife Kirby Buckner.
  • Ficção histórica. Como sua histórias Gates of Empire que narra o envolvimento de um personagem fictício nos esforços entre Shirkuh, Shawar, e Amalric para controlar o Egito.
  • Histórias de boxeadores. Especialmente os contos do Marinheiro Steve Costigan (às vezes chamado de Marinheiro Dennis Dorgan).
  • Westerns. Por exemplo as histórias mais cômicas estreladas por Breckinridge Elkins.
Howard cuidou para que quase todas as suas histórias do gênero sword and sorcery pudessem ocorrer sem contradição num mesmo "universo literário", começando com as aventuras pré-históricas das vidas passadas de James Allison, evoluindo para a saga valusiana de Kull, passando então para os tempos da Atlântida e da Lemúria (de onde vem o personagem Kathulos/Skull Face), para chegar à Era Hiboriana de Conan e então, finalmente, na história conhecida.


Salomão Kane (Solomon Kane)

Howard projetou seus contos de modo que um grande cataclisma sempre separasse uma era da seguinte. Dessa forma cada civilização sabia muito pouco sobre sua antecessora, sendo lembrada apenas por mitos.

Em uma das histórias mais memoráveis de Howard - Kings of the Night - um crossover entre sagas diferentes, é apresentado quando o xamã picto Bran Mak Morn conjura magicamente Kull da Valúsia, de sua época, para lhe ajudar na batalha contra os romanos e seus aliados.


Bran Mak Morn

A prosa de Howard é direta, rica, e excitante mais do que perspicaz e tenta entreter mais do que instruir, mas não é sem sofisticação. Howard conta sobre mundos onde a violência é geralmente a melhor solução e onde o ouro, as jóias, e as belas mulheres são geralmente a recompensa dos heróis.

Howard correspondia-se com outros autores de pulp fiction tais como H. P. Lovecraft e Clark Ashton Smith.

Em 11 de junho de 1936, aproximadamente às oito da manhã, depois de ficar sabendo que sua mãe provavelmente nunca sairia do estado de coma, Howard se suicidou. Sentou-se no banco da frente de seu carro e atirou na própria cabeça, mas só morreu oito horas depois. Sua mãe morreu no dia seguinte, e compartilharam o funeral. Ambos estão enterrados no cemitério de Greenleaf, em Brownwood.

Na manhã do dia de sua morte Howard escreveu este poema, que foi encontrado datilografado em uma tira de papel na sua carteira:

Tudo se foi, tudo acabou / Portanto, ergam-me sobre a pira/
O banquete terminou / e as lâmpadas se apagam.



Era Hiboriana (clique para ampliar)

Fonte: Wikipedia
Links e edição: Hazzamanazz

Após uma pilhagem nos arquivos do Rapadura Açucarada, do mestre Eudes, aqui vão algumas edições para quem quiser conhecer ou ler as aventuras de Conan.

HD Virtual 19
Pasta: Graphic Novel/Conan
senha: rapadura
Guerreiros do Tempo e Conan, o Indomável

No Mandei Bem (é necessário se cadastrar antes)
Conan - O Aventureiro #01 a #04
Busca: conan_o_aventureiro

Um comentário:

Mestre Splinter disse...

Muito bom post!Mesmo com todo o destaque hoje alcançado por Conan(sem dúvida o maior ícone das histórias de capa & espada, ou ''sword and sorcery'',termo também consolidado com o trabalho de Sir Howard), o alcane e a profundidade da obra do escritor nunca teve o crédito merecido...para mim e muita gente, o universo criado(ou ele teria meramente documentado?) está no mesmo patamar de Tolkien, uma descomunal pesquisa história e antropológica ''costurada'' em um universo coerente, travestida de ficção.
Ótimo lembrete, comemoremos!!!