03 fevereiro, 2007

É simplesmente incrível como a Ciência não é capaz de responder totalmente as nossas dúvidas, assim com a Religião. Talvez por esta razão a Filosofia tenho surgido, pois ela não dispensa nem uma, nem outra, ao contrário das duas, que sempre viveram em pé de guerra.



Nós somos seres humanos. Nascemos em um planeta chamado Terra - o que é uma contradição, já que ele deveria se chamar Água - e somos animais, conhecidos como homo. Homo é uma palavra substantiva masculina, mas não tem nada a ver com gênero sexual. A palavra vem do latim e quer dizer pessoa. Geralmente é traduzida como homem, o que está incorreto, pois a palavra nesta língua para ele é vir, cognato de viril.

A palavra humano vem de humanus, a forma adjetiva de homo.

Homo também não tem conotação nenhuma com a escolha sexual do indivíduo, já que cientificamente falando, não há distinção dos gêneros, sendo homens e mulheres conhecidos como homossexual masculino e feminino, respectivamente. Foi o ambiente onde eles vivem que transformaram as denominações em gay e lésbica.

Com exceção do homo sapiens, que quer dizer, "pessoa racional" ou "pessoa sábia" (embora se diga "homem racional", o que é errôneo), todos os outros tipos de humanos estão extintos, desde o Homo antecessor até o Homo neanderthalensis. Porém, todas essas espécies compartilham uma coisa em comum: a relação entre elas e o ambiente onde vivem ou viveram.

Se a essa relação entre o ambiente e local onde eles viveram, por que a nossa surpresa ao falar que o ser humano é filho da Terra? E por que sempre que isso é mencionado, já se pensa automaticamente em misticismo ou outras linhas de pensamento nessa direção? Ora, se nascemos no planeta Terra e temos uma relação de interação com ele, nada mais natural do que sermos chamados de "Filhos da Terra".

O planeta Terra se caracteriza, desde os seus primórdios, por criar e destruir, e a partir desta destruição, criar novamente. Sempre foi assim com as espécies animais e sempre foi assim com os blocos de terra que recobrem ele, a qual chamamos de continentes. A 2.5 bilhões de anos atrás, o que existiam eram ilhotas no meio do oceano, não largos blocos de terra. Com o passar do tempo, esses blocos de terra foram se juntando e formando outros blocos maiores ainda. Com o deslocamento destes, em movimentação até os dias de hoje, temos a formação de nossos atuais continentes. Porém, a cerca de 250 milhões de anos atrás, houve uma massiça extinção da vida na Terra, matando nada menos do que 96% dos organismos vivos do planeta (chamada extinção Permo-Triássica).

Ela aconteceu um pouco antes, cerca de 50 milhões de anos, do surgimento de Pangéia, o super continente formado pela deriva continental.
O nome Pangéia se deu por todos os continentes estarem unidos (Pan), formando um único bloco de terra (Geia). Na mitologia grega, Pan era o deus da alegria e da vida e Geia (Gaia ou Ge), a deusa que personificava a Terra com todos os seus elementos naturais. O que pouco se divulga, é que Pangéia era na verdade um inferno, com temperaturas muito altas durante o dia e noites congelantes.

Porém, foi por esta razão que outras formas de vida puderam se desenvolver no nosso planeta, como os dinossauros e os seres marinhos menores.
Após esse período, a 65 milhões de anos atrás, ocorreu um outro evento de extinção massiça que propiciou ao ser humano se desenvolver, bem como outros mamíferos placentários (nicho de mamíferos, onde as fêmeas possuem mamilos para amamentar as crias e todo o desenvolvimento delas se processa no interior do útero, onde o feto é alimentado pela placenta. Os mamíferos marsupiais, em contra-partida, tem estratégia diferente, onde o feto se desenvolve fora do útero materno. Exemplos destes são os cangurús e os coalas). Este evento é bem conhecido atualmente, pois foi responsável pela extinção dos dinossauros (também chamada extinção K-T, ou extinção K-Pl como é chamada atualmente).

Novamente a Terra, entra em um processo de criação e destruição, pois foi com o fim dos dinassauros que os mamíferos puderam se desenvolver, coisa que não ocorreria sem este fato. Ou alguém acredita que se os dinossauros, seres que viveram 160 milhões de anos dominando o planeta (portanto, nada incompetentes), ainda estivessem vivos, o ser humano teria tido alguma chance de se desenvolver?

Seres humanos se matam e destróem, e a partir daí progridem, porque o planeta onde eles vivem, a Terra, mata e destrói, e a partir disso constrói!

Se é verdade que um organismo interage e é afetado pelo seu ambiente, por que então o próprio planeta não faria isso? Não somos ligados ao mundo? Este mundo não tem suas próprias regras, independente do quão nos achemos superiores, inteligentes e racionais? Ao estudarmos toda a vida na Terra, basicamente é isto o que acontece, a nossa própria arrogância é que nos cega a este fato. Que o digam as vítimas de tsunamis, terremotos e vulcões, entre outras formas de demonstração da vontade da Terra ou as recentes mudanças que estão acontecendo no clima, seja por nossa interferência ou não.

Realmente, ela é azul!
Yuri Gagarin, 12 de abril de 1961

Partindo deste principio, não seria a Terra uma entidade viva e nós meros hospedeiros em sua casa? Segundo as regras de boa educação, quando você está hospedado ou recebeu abrigo em uma casa, você deve se comportar e aceitar as regras daquela casa.
Por que conosco iria ser diferente?

Porém, o ser humano possui uma habilidade, compartilhada por alguns poucos animais, como o castor canadense, por exemplo: mudar o ambiente em que ele vive. Para o bem e para o mal, fique bem explicado.

Uma das saídas propostas é viajarmos para outros planetas. Na verdade, parece ser a única saída possível no nosso atual estágio evolucionário. Como demonstrado no filme Matrix, de 1998, a raça humana é um parasíta em seu modo de ser. Ela vai de lugar á lugar, explorando os recursos deste até exaurí-lo. Porém, como na vida, uma hora a festa acaba e é momento de você crescer, que é o ponto onde estamos: uma criança com uma colônia de formigas.

Ora, o nosso sistema atual é montado nesse padrão. Ele explora os menos afortunados, destrói os outros em busca de crescimento, não reparte os ganhos obtidos com essa destruição, humilha e oprime os que tentam outra via e só pensa em sí mesmo. Algumas mentes dirão que essa tentativa de mudança do sistema vigente se chama Socialismo, sistema político comumente confundido com o Comunismo, pois o primeiro é a via de transferência para o segundo, este sim o ponto a ser atingido.
Para os que pensam assim, recomendo uma lavada no rosto com a água da privada, para clarear o pensamento.

Todo o nosso sistema atual prega a destruição, mas não a criação após esta. Nemcomensalista ele o é, pois este pressupõe que você reparta algo com alguém (o termo significa "convidado a mesa" e é um tipo de relação harmônica).

É como aquele velho ditado: "você deseja tanto uma coisa, que nem percebe quando ela acontece". Como estamos vendo atualmente, com todas as alterações climáticas ocorrendo pelo planeta, que ameaçam sériamente a nossa sobrevivênia neste, o velho círculo de destruição e crição dele está ocorrendo novamente.

Resta saber se conseguiremos sobreviver a ele.

8 comentários:

Michel disse...

Belo post!

Apenas para completar: vale citar o verdadeiro milagre que é a existência da vida no nosso planeta (recomendo o livro Rare Earth ou, em português, Sós no Universo).

E o ciclo de transformações, que já pesenteou a Terra com alguns eventos de destruição em massa, seja por fatores naturais ou exógenos, pode ganhar uma nova contribuição da raça humana com este acelerado processo de estupro da biosfera...

Vamos lembrar que há vinte anos o medo era de ver foguetes atômicos caralhudos cruzando os continentes. Eles ainda estão bem guardados e, como se isso não bastasse, o ser humano ainda cria toxinas em laboratórios e consome desenfreadamente todos os recursos disponíveis sem pensar.

E aí a disputa pela posse do planeta será entre baratas e formigas.

Michel disse...

http://www.youtube.com/watch?v=endYbbALF_I&eurl=

Acabei de ver no Rapadura Açucarada.

tina oiticica harris disse...

Li no feed e entrei só pra te dizer que amei esse post. Gostaria de ler mais posts mais freqüentemente.

Barbarian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marconi pacman disse...

cara, ja venho visitando seu blog a algum tempo, mas não sei ao certo por qual motivo, às vezes não acho posts antigos. eles são removidos?

pois bem, fiz o Download do último album do Stratovarius, de 2005, mas ele é bloqueado com senha.

vim aqui pra procurar e num acho a senha.

poderia me fornecer?

agradeço desde já e torno a parabenizá-lo pelo ótimo blog!

hazzamanazz disse...

Os posts mais antigos somem automaticamente da página principal, indo para os arquivos afim de não tornar o carregamento do site muito pesado.

Se você clicar em "postagens mais antigas", no fim da página, ou na caixa de arquivos, eles estarão lá.

Defensor disse...

Saudações Hazzamanazz,

Mandou muito, muuuuito bem nesse post!

Concordo com tudo o que você escreveu.

Abraços

Barbarian disse...

O eficiente sistema de governo romano inda vigente... dividir e conquistar... escravizar os estrangeiros e parasitar os conterrâneos... grande espécie superior, com seu encéfalo altamente desenvolvido e seus polegares opositores, se esquecem de que a história se repete. O calor vem pior a cada ano e não estão se tocando. Quem estudará nossos fósseis? Baratas com encéfalos altamente desenvolvidos e vários polegares opositores? Orcs? Greys? hahahahaha

Abraços :P