17 março, 2007

Cinema e Aspirinas

Cinema não é exatamente minha praia, pois eu sou simplesmente um espectador, não um crítico (quem quiser ler algo mais substâncial, vá ao Black Zombie, do mestre doggma). Mas existem duas notícias que eu lí na revista Set deste mês que não posso deixar de comentar.

A primeira, é que a Warner (dona da DC Comics), já avisou que a partir de agora seus filmes de super-heróis serão todos na linha de Quarteto Fantástico, ou seja, filmes para a família e que não pretende mais arriscar nos enredos, como no filme Superman Returns. O que quer dizer que a partir de agora, o negócio vai feder feio!
Não me entendam mal, Quarteto Fantástico não é um filme exatamente ruim, mas consegue ser mais raso que um prato.
É o típico filme "viu, se divertiu, esqueceu".

Nada contra, mas já imaginaram Batman seguindo essa fórmula? Tempos negros, meus amigos, tempos negros...

A segunda notícia, por outro lado, só confirma que a TV é que está com a bola toda, pois o cinema - com raras exceções -, deixou de ser fonte de histórias bem boladas. A HBO irá fazer uma série de Preacher!
Pausa para um minuto de orações a todos os deuses pagãos que existem, com muitas lágrimas rolando. :D

capa da edição 56, com o "elenco" da série

Preacher não é bom, Preacher é de foder! Para quem não conhece a série - em que planeta você vive? -, ela conta a história do pastor Jesse Custer, que é possuído pela entidade Gênesis - o filho de um anjo com uma demônia - e resolve tirar satisfações com Deus, já que Jesse possui os poderes dos dois lados da balança, fazendo-o rivalizar com o próprio em termos de poder. Em sua busca estão juntos a nomorada Tulipa e um vampiro irlandês, Cassidy.
O negócio todo é altamente profano - Deus é um merda-, totalmente taboo - Maria Madalena tem um filho, mas este é débil mental- e bastante violento (e quando digo violento, é violência mesmo, nada desse negócio pastiche, sobra pra todo mundo, sejam homens, mulheres ou crianças).
Mas o ponto é que nada é gratuíto, a série faz uma série de contestações muito bem fudamentadas as instituições religiosas, ao nosso estilo de vida moderno, a américa moderna (o escritor é britânico, vale lembrar), entre outras coisas.



O interessante é que o diretor é o mesmo do filme Motoqueiro Fantasma, que declarou - e eu cito - "não quero adaptar, não quero mudar nada, quero transformar cada gibi em um episódio de uma hora de duração. Isso daria uma série com cinco ou seis temporadas".

Como quem já viu as séries produzidas pela HBO, como Band of Brothers, Roma, Anjos, Carnival, entre outras, sabe que a emissora não dá muita bola para costumes vingentes, muito menos se importa com a opinião dos outros.
Pode começar a salivar.

Um comentário:

Mestre Splinter disse...

Uma bomba e uma boa nova!

O filme do Qüarteto eu achei deprimente, não serve nem p'ra distrair: dá raiva a descaracterização dos personagens, esse é um dos grandes problemas das ''adaptações''...mas esse Preacher promete, já que o maluco disse que ''não vai se adaptar'', hehehe!