09 abril, 2007

Hey olhem só o que o Michel me enviou, uma galeria da Biblioteca Nacional de Medicina Americana, chamada Dream Anatomy (Anatomia dos Sonhos).
Apesar do nome, ela é sobre o corpo humano.

Desde 1500, quando começaram os desenhos anatômicos sobre o ser humano, muitas imagens tentaram descrever como ele funciona e quais funções vitais ocorrem em nossos orgãos. Algumas figuras são bastante realistas, outras pra lá de medonhas e muitas são simplesmente deslumbres e fantasias, parecendo obra de médicos drogados.
Já dizia Nitzshe que para um eficiênte vislumbre artístico, alguma forma de intoxicação é necessária.

Alguns de você podem se chocar com as imagens, mas lembrem-se, são representações de como víamos o corpo humano, algumas equivocadas, outras verdadeiras, mas nem por isso menos interessantes.

Clique nas imagens para ampliá-las / Click on images to zoom









Na página da galeria é possível encontrar estas e muitas outras imagens, bem como uma explicação sobre a sua origem.
Vale bastante uma visita, mesmo!

Em todo caso, se você preferir a imbatível realidade do ser-humano, já que nenhuma representação artística consegue chegar aos pés do que ele é capaz de causar com ela - para o bem e para o mal -, recomendo o ensaio abaixo.

Nagasaki após a bomba, 10 de agosto de 1945
































Lembram como nós víamos somente os prédios e a terra calcinada, mas quase sempre não eram mostrados cádaveres e feridos? Isso se chama imagem desassociativa e é uma maneira empregada de separar a visão que a pessoa tem do acontecimento, do que realmente ocorreu.
Isso também foi usado na primeira Guerra do Golfo, em 1991, quando tudo o que víamos eram bunkers sendo destruídos, ponte e tanques em chamas, sempre pelo olhar tecnologico das miras lasers dos armamentos, em uma guerra de televisão.
Porém, nos esquecíamos de que haviam pessoas sendo mortas lá embaixo.

Um dos exemplos onde isso funcionou foi na utilização de munição de urânio depletado, onde a máxima é de que elas não são radioativas, portanto não fazem mal e no massacre da "Estrada da Morte (Highway of Death)", onde soldados iraquianos estavam se rendendo, refugiados palestinos estavam fugindo do Iraque e prisioneiros de guerra estavam sendo transportados, mas mesmo assim foram bombardeados em uma faixa de 60 milhas (92Km²), resultando em 1400 veículos destruídos.



Interessante notar, quase nenhum destes veículos era militar.

Essa estratégia foi muito utilizada na 2ª Guerra Mundial e vem se agravando com os dias atuais, em nosso perfeito e sublime "mundo politicamente correto".

Quem quiser ter outra visão da primeira Guerra do Golfo e ver alguns de seus mitos derrubados, visite o site The Unsee Gulf War (A Guerra do Golfo Desconhecida), do jornalista Peter Turnley.

12 comentários:

Michel disse...

Ao seu dispor, Hazza.

Depois posso sugerir mais algumas coisas interessantes e legais (ou não).

Michel disse...

Puxa vida, como são tristes essas imagens de Nagasaki. Mostram o que o ser humano tem de pior.

Agora um parêntese: um dos pontos que sempre era dito versava sobre o conceito americano de atacar os japoneses mas preservando as instalações industriais.

Com isso no pós-guerra, com a base industrial preservada, o Japão pôde se recuperar principalmente na indústria naval, onde deu um verdadeiro pulo do gato em vinte anos e se tornou o maior fabricante de navios do mundo.

Agora (e lembrando que Nagasaki sempre foi um dos maiores portos japoneses desde a era feudal), as imagens mostram que não foi muito assim, não. O estaleiro Mitsubishi estava a apenas oito milhas do epicentro da bomba!

Acho que na verdade o pólo naval se mudou quase que exclusivamente para a baía de Tóquio e Nagasaki pagou um preço absurdo e, espero, nunca mais presenciável (mas não acredito muito nessa minha esperança).

Mestre Splinter disse...

Bem bacana essa galeria de anatomia, assim como são mesmo muito tristes essas imagens de Nagazaki...mais triste ainda saber ser a verdade bem curta e bem certa isso que tu falaste...

...que Deus tenha misericórdia pelos que só querem viver.

Anônimo disse...

Grande post,como sempre,Hazzamanazz!
As imagens de Nagasaki,fizeram-me lembrar de um filme que era exibido regularmente pela Rede Bandeirantes(quando esta ainda passava filmes interessantes e que nunca seriam exibidos pela Grobo,claro,como,por exemplo,"Querida América - Cartãs do Vietnã")sempre depois do Canal Livre,que era o "CHUVA NEGRA".
Apesar de ser homônimo ao filme policial estrelado por Andy Garcia e Michael Douglas, o "Chuva Negra" ao qual me refiro é sobre o bombardeio à cidade de Hiroshima e que mostra o que aconteceu com uma família afetada pelo câncer proveniente da radiação da bomba.
O filme é em preto-e-branco,mas apesar da narrativa ficar bem arrastada a partir das cenas quando a bomba atinge a cidade,vale a pena assistí-lo.
Um abraço,Miguel

Anônimo disse...

oi!
grande post. seu blog e muito bom!
Metal, punk, historia, informaçãos diversas...
aprendo portuguese tambem, nao falo ainda bem......
:-)
e bem falar de nagasaki e iraque porque as pessoas esquecem rapidamente as consequências da guerra e causas dela.
Salvem História das mãos da política.
"demais nacionalismo, bastante terrorismo".

Defensor disse...

Saudações

Impressionantes essas imagens, amigo.

Seres humanos e suas guerras estúpidas...

Abraços

PS= Agora vou ver se baixo aquele Exciter ao vivo...uma de minhas bandas da "velha guarda" preferidas.

Anônimo disse...

Ah! Eu esqueci de recomendar também o filme sobre os testes atômicos maritimos que são de impressionar!
Ele passou no GNT e,se eu não me engano,chama-se "Trinity".
A imagem daquele cogumelo de coluna de água não sai da minha cabeça até hoje...PQP!
Abração pros6 todos aí! Miguel

obs: Caro Michel,os ataques às cidades de Hiroshima e Nagasaki sempre foram direcionados por serem centros industriais e,assim,impressionarem os japoneses com essa nova arma. Além é claro,de ser uma,digamos,experiência em saber como seria detonar uma bomba num centro urbano habitado verdadeiramente e não em simulações nos desertos...
Essas cidades acostumaram-se às sirenes anti-bombas que tocavam com frequência. Inclusive,na manhã de triste lembrança em Hiroshima,isso ocorrera e ninguém ficou preocupado em correr para os abrigos,pois acharam que seria mais um aviso e nada aconteceria...

hazzamanazz disse...

Opa Miguel, como não ter visto esse "Chuva Negra", baseado no livro de Masuji Ibuse (o nome do diretor eu não lembro).
Esse filme é bastante gráfico, assim com The Day After - que para quem não sabe, foi boicotado pelas autoridades americanas, que fizeram de tudo para impedir o filme de ver a luz do dia. Como a verdade incomoda, não? - e é muito bom.

Mas é como o Defensor falou, a raça humana e suas guerras estúpidas. Falando do âmbito extritamente militar, a bomba atômica impediu sim a 2ª guerra de se arrastar por mais tempo.
Apesar de todo o revisionismo histórico, esse fato - ultimamente bastante constestado - sempre é deixado de lado e quase nunca citado.
Pô, vamos pelo menos ser imparciais e contar TODA a História, mesmo que ela não seja agradável.

Vale lembrar que a bomba foi originalmente criada para ser lançada na Alemanha, mas a guerra na Europa acabou antes.

E quando você achar alguma coisa interessante como essa, Michel, pode mandar que nós publicamos.

[ ]'s

Barbarian disse...

Excelente post... parabéns a vcs. Serve um tanto pra nos lembrar que alguns países têm problemas bem piores que os nossos, o Brasil tá nas mãos de ladrões há décadas mas pelo menos não se mete em guerra (primeiro pq nem pode).

Isso aí é muito triste, alguns bibas véios escondidos na segurança de seus palácios mandam sacrificar seus jovens pra massacrar inocentes do outro lado do mundo... por dinheiro. Foda eu ter encontrado pela net filmagens de snipers derrubando soldados americanos, os putos filmam e riem. E não tenham pena, já que os americanos tão fazendo merdas piores com eles. Não acredito na concepção de um apocalipse, mas acho que estamos criando um gradativamente com as próprias mãos. Ainda bem que não tive filhos, não é isso que eu gostaria de deixar pra eles. Minha namorada quase me socou por essa frase, mas chega de seres humanos no mundo, já tem gente demais e equilíbrio de menos! Qualquer hora vai começar a faltar comida e água potável; pra cada um milhão de porcalhões tem um consciente. É inevitável que a tecnologia avance com o tempo, mas em milhares de anos não evoluímos muito moralmente. É a mesma merda tribal, um povo esgota seus recursos, e invade o território do outro pra continuar seu vício de consumo. Semelhante ao avanço de um vírus ou uma praga de gafanhotos.

No entanto, estamos na era da luta pela verdade. Quem pode mostrar ao mundo uma podreira vergonhosa, vem perdendo o medo de fazê-lo, como vcs estão fazendo no momento. Continuemos com isso.... abraços

Anônimo disse...

Fala,Barba!

Endosso as suas palavras! A verdade sempre incomodará quando um fato histórico for construido de maneira distorcida. E,sobretudo,quando a indústria cinematográfica for amplamente usada para isso,ou seja,para sedimentar na cabeça das pessoas a "verdade" que elas têm que aceitar,defender e difundir.
Em especial,a 2ª Guerra Mundial muitas das vezes dá a impressão que SÓ os Estados Unidos foram os vencedores do conflito e os demais aliados são resumidos a meros coadjuvantes...
O caso do "The Day After" é mais ou menos por aí,uma vez que além de ser impensável para os norte-americanos que isso acontecesse com eles(como o WTC...),o debate que o filme provoca acaba por deixar os que defenderam o uso da bomba atômica tendo que se explicar mais uma vez...
Até hoje,estou esperando filmes que abordem os anos de 1939-1941 quando o exército alemão era imbatível...Sendo assim,óbvio,só temos o perído de 1942-1945 quando as forças do Eixo estão em colapso.
Eu gostaria de recomendar um filme que é um libelo antibelicista. Trata-se do famoso "JOHNNY VAI À GUERRA",de Dalton Trumbo,de 1971.
Esse filme aborda a entrada dos EUA na Primeira Grande Guerra(1914-1918)e,particularmente,de um sofrimento de um soldado atingido por um morteiro inimigo e que fica reduzido ao tronco,ou seja,fica sem os dois braços,as duas pernas e,como se isso não bastasse,fica cego,surdo e mudo! Uma injeção para acabar com esse sofrimento,aê ô enfermeira!!!
As lembranças são as únicas coisas que restam-lhe e o filme parte daí para passar ao telespectador o sofrimento que poderia ser de qualquer um de nós.
O filme foi extremamente boicotado (sumiço e cópias danificas),pois o passado do seu autor é controverso,uma vez que fora perseguido como comunista no período da história norte-americana conhecida como Macartismo(caracterizando-se pelo combate às "atividades antiamericanas" , surgidas da crescente disputa entre EUA e URSS. O nome origina-se de Joseph McCarthy, senador republicano cuja paranóia o levou a acusar milhares de americanos de serem militantes socialistas/comunistas.).
A minha cópia de vhs tinha uma advertência quanto a isso,ou seja,que a qualidade dela era abaixo do normal e que era uma maneira de divulgar a obra de Dalton Trumbo assim mesmo. Só fui perceber que no início do filme há uma respiração ofegante quando adquiri o dvd!!! PQP!
Para quem ainda não ligou o nome do filme ao videoclipe de uma ex-grande banda,Metallica,é o conteúdo de "One"...Velhos tempos,cóf,cóf e cóf!
Um grande abraço para os amigos daqui,Miguel

Michel disse...

Pô, Barbarian, eu entendo seu ceticismo, mas a discussão de encarar um filho nesse mundo esquecido por deus e deixado aos humanos vai longe...

Sem querer entrar numa discussão que é apenas da sua responsabilidade, eu penso que a humanidade, com todos os defeitos de fabricação inerentes, merece seguir adiante (certo, certo, com ressalvas). Tenha filhos, sim. É do caralho! Eu sou grato aos meus pais por estar reclamando da vida...

Ah, quem sabe você não consegue colocar bom gosto musical em mais um ser vivo? Eu estou perdendo a parada para os filmes da Barbie e o Hi Five do Discovery Kids, mas minha filhinha ainda se diverte com as diversas entonações de Typhoon do Therion! Nem tudo está perdido!

Eu tenho um grande amigo adolescente (sua idade varia entre 12 e 18 anos, depende do meu extrato bancário) chamado Johnny, que não foi para a guerra, mas que diz: "Keep Walking". É isso aí!

Barbarian disse...

Sei lá... se acontecer, que sejam bem-vindos! Só não encomendo por vontade própria, mas quem sabe a minha misogenia tenha um dia de recesso e eu acabe engrossando as fileiras do Metal, heheheheheh (ou talvez o amigo Johnny me "convença")

Abraços :P